Programa de Pós-Graduação

Direito da Saúde: Dimensões Individuais e Coletivas

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em “Direito da Saúde: Dimensões Individuais e Coletivas”

O Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em “Direito da Saúde: Dimensões Individuais e Coletivas” estabelece as regras básicas dos possíveis cursos que podem ser oferecidos dentro do Programa, isto é: Mestrado e Doutorado em Direito.

Objetivos

O curso de Mestrado em Direito da Saúde: Dimensões Individuais e Coletivas, oferecido dentro do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito, recomendado pela CAPES, tem como objetivo principal possibilitar ao graduado, em nível superior, condições de desenvolver estudos de natureza científica que demonstrem o domínio dos instrumentos conceituais e metodológicos essenciais, qualificando-o para atuar na docência, na pesquisa e como profissional especializado na área.
O Programa pretende contribuir para as soluções dos problemas da saúde no Brasil, por meio da formação de profissionais capazes de compreender o fenômeno social e intervir na realidade.

Público-Alvo

Podem cursar o mestrado em “Direito da Saúde: Dimensões Individuais e Coletivas” os portadores de diplomas de nível superior. Volta-se especialmente aos graduados em Direito vinculados profissionalmente à saúde humana, ambiental ou do trabalho ou que queiram aperfeiçoar-se na área, sejam eles advogados, advogados da União, analistas judiciários, assessores jurídicos, delegados, magistrados, oficiais de justiça, procuradores da República, procuradores de justiça, procuradores do Estado, procuradores municipais ou promotores de justiça.
O programa, que tem em seu bojo a interdisciplinaridade (refletida em sua matriz curricular e na sua equipe docente), volta-se também a todos os profissionais de nível superior vinculados que pretendam aperfeiçoar-se na área, especialmente na gestão pública ou social de serviços de saúde humana, ambiental e do trabalho, sejam eles administradores, assistentes sociais, biólogos, cientistas políticos, dentistas, economistas, educadores, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, médicos, nutricionistas, psicólogos, sociólogos, urbanistas, etc.